21°C 33°C
Xinguara, PA
Publicidade

Seap certifica 32 policiais penais para integrar um grupo de elite no sistema penitenciário

Eles ingressaram no Grupamento de Ações Penitenciárias (GAP), cuja missão é agir em situações extremas no âmbito das unidades prisionais

12/10/2023 às 21h32
Por: André Silvestre Fonte: Agência Pará / Caroline Rocha (SEAP)
Compartilhe:
Policiais penais são certificados para integrar o Grupamento de Ações Penais, destacamento de elite nas unidades prisionais / Foto: Alberto Campos Filho / NCS Seap Pará
Policiais penais são certificados para integrar o Grupamento de Ações Penais, destacamento de elite nas unidades prisionais / Foto: Alberto Campos Filho / NCS Seap Pará

A Secretaria de Administração Penitenciária (SEAP) certificou, nesta quarta-feira, 11, os policiais penais concluintes do curso de formação para a sua “tropa de elite”, o Grupamento de Ações Penitenciárias (GAP). O curso teve a duração de 52 dias em regime de confinamento, se iniciou com 78 alunos, dos quais somente 32 concluíram as etapas e agora estão aptos para integrar o grupamento.

O Grupo de Ações Penitenciárias (GAP) é um grupamento especial da Seap, treinado para agir especialmente em intervenções e situações extremas. O GAP é responsável por manter a ordem, a disciplina e o estrito cumprimento do manual de procedimentos operacionais em todas as 53 unidades prisionais do Estado do Pará, além de realizar a defesa da unidade prisional no caso de tentativa de fugas.

Durante a solenidade, o secretário Marco Antonio Sirotheau Corrêa Rodrigues parabenizou todos os novos integrantes do GAP. “O curso não foi tão fácil, já que dos 78 que iniciaram apenas 32 finalizaram e, destes concluintes, temos três mulheres. Todos estão de parabéns, mas especialmente as mulheres. Agradeço as instituições parceiras na realização do curso, e como policial militar, eu sei o quanto é importante a formação continuada ao longo da nossa carreira, e eu sei das dificuldades. Nós, policiais, estamos todos no mesmo barco, trabalhando em prol da sociedade. Por tudo isso que eu digo, viva a Seap. Viva o policial penal”, conclamou.

Multidisciplinaridade - Durante o período de formação, os alunos foram instruídos por profissionais experientes do próprio GAP, bem como do COPE (Comando de Operações Penitenciárias), CORE (Coordenadoria de Recursos Especiais) e da Polícia Científica do Pará. Essa abordagem multidisciplinar permitiu que os participantes adquirissem um conjunto diversificado de habilidades e conhecimentos necessários para atuar em situações desafiadoras no sistema penitenciário.

Paulo Cunha, diretor da Escola de Administração Penitenciária (EAP), reafirma que o compromisso da Seap é de continuar investindo na formação de seus servidores, visando à excelência no desempenho de suas funções e a garantia da segurança no sistema prisional.

"Isso demonstra como a administração tem investido na formação na nossa secretaria. A todo momento nós estamos com turmas em formação, em treinamento, em qualificação, isso demonstra o investimento que tem sido feito em formação pela SEAP. Então é mais uma etapa vencida, a gente fica feliz porque conseguimos levar até o final e entregar para a SEAP um grupo de 32 profissionais altamente qualificados, eles já eram qualificados, mas agora qualificados para compor nossa tropa de elite, que é o nosso Grupamento de Ações Penitenciárias. Com mais essa turma, só neste ano de 2023 a EAP formou 959 policiais penais em 46 cursos de formação", ressaltou Cunha.

Priscila Neves foi uma das três policiais penais que concluíram a formação e integram o grupo de elite do sistema prisional / Foto: Alberto Campos Filho / NCS Seap Pará

Emoção - Durante a solenidade, a nova “gapeana”, a policial penal Priscila Neves, uma das formandas do curso, compartilhou suas emoções e desafios enfrentados ao longo do processo de formação. "É uma emoção muito grande, porque você conseguir passar por cada etapa, se superar tanto fisicamente como psicologicamente, é algo inexplicável. Todos os dias você vence uma batalha contra si mesmo, você acha que não é capaz de chegar até o fim, de concluir, e todo dia você tem um desafio novo e, chegar a vencer todos eles, é uma vitória muito grande para mim como mulher. A gente tira uma força de onde não tem ou acha que não tem, mas no fim é muito bom e satisfatório chegar até o fim, concluir um curso que muitas pessoas queriam tentar e muitas tentaram e não chegaram até o fim, é muito gratificante mesmo", disse ela.

 Texto: Kaila Fonseca / NCS Seap Pará

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.